quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

ele.

estávamos no natal e eu era empregada de mesa. vivia numa casa que tinha o tamanho de um quarto. eu e ele estávamos juntos há poucos meses. naquele dia eu comecei a chorar: eu que trabalhava de manhã à noite. o cliente que me tratou mal. a minha máquina de lavar roupa que não funcionava. chorei e depois continuei a trabalhar. quando cheguei a casa vi a minha roupa alinhada num estendal improvisado. ele lavou-a toda: uma a uma. no dia que a maria nasceu, depois de as visitas sairem, ele olhou para mim: amo-te mais. disse-o depressa. olhei para ele e sorri, a maria pequenina deitada ao meu lado: não te amo mais, amo-te de maneira diferente. guardei aquelas palavras. quando o miguel nasceu o dinheiro não chegava para tudo. um dia fui ao martim moniz: vendi a libra de ouro que a minha avó me deu. ela deu-ma porque eu ia ser jornalista, eu vendi-a para pagar a luz. quando cheguei a casa dei-lhe o dinheiro: ele chorou. ele passou 6 meses sozinho: perdeu o dia em que ela fez 2 anos, o dia em que ele se sentou e gatinhou pela primeira vez. o dia em que ele deu a primeira gargalhada. ele perdeu tudo porque nos queria dar mais. melhor.
discutimos muito, quase todos os dias: pequenas coisas, nunca grandes. eu nunca atendo o telefone, não aviso que o detergente acabou, faço-lhes as vontades todas, perco as chaves, encho demasiado o saco do lixo. ele revira os olhos e bufa quando está impaciente: eu detesto. ele é insuportável quando tem fome. um dia ele acordou-me às 4 da manhã para me mostrar um peixe muito grande que tinha apanhado: tira-me uma fotografia. ele deixa as meias sujas no chão: ao lado da cama, todos os dias. ele esquece-se das datas. nunca me compra flores. mas também refila comigo porque eu ando descalça com este frio. porque não me sento para comer. ele deixa-me sempre um prato de sopa na prateleira de baixo: eu não chego lá acima. ele é sempre o primeiro a pedir desculpa. às vezes o único. ele chama-nos: meus amores.
nos últimos anos eu mudei. eu não sou a mesma, não sou como ele me conheceu: já não tenho abdominais definidos. as minhas sobrancelhas não estão sempre alinhadas. não uso maquilhagem ou lingerie com renda. não faço amor com ele todos os dias. não faço todas as semanas. não digo amo-te muitas vezes: antes dizia. eu mudei: sou sempre mãe, não sou sempre mulher. e sei que ele gosta de mim na mesma. que ele me vê para lá de todas estas coisas.
e eu também vejo. e amo-o ainda mais: sempre que o vejo a adormecê-los, a levá-los às cavalitas, a correr atrás deles no parque. sempre que ele traz no saco as bolachas que eles gostam, uma carteira de cromos para a maria. quando ele vai ao cinema ver a sininho e decora o nome das fadas. quando ele dá banho à maria e lhe desembaraça devagarinho os cabelos. quando o vejo a fazer ginástica no dia dos pais: a saltar mais alto que os outros. hoje, quando foi trabalhar com os olhos embargados. não desejo melhor para 2015, desejo o mesmo: 2014 foi um bom ano. juntos, com saúde. mas quero mais de nós: eu e ele. quero voltar a passear de mão dada. beijá-lo mais. dizer que o amo mais vezes. quero ser mais paciente, mais dedicada. quero casar com ele numa tarde quente de verão. 



28 comentários:

  1. Lindo...
    Boas entradas, e que em 2015 seja um ano de muita saúde e muito muito amor ;)

    ResponderEliminar
  2. Chorei, mesmo com o ano a acabar. Talvez um dia eu consiga escrever o mesmo porque é exactamente isto que sinto e dava tudo para poder voltar um bocadinho atrás. Feliz 2015 :)

    ResponderEliminar
  3. Feliz 2015, para ti, para ele para a Maria e para o Miguel :)
    Um grande beijinho!

    ResponderEliminar
  4. Adorei, lindo! Espero que consigam sim voltar a passear de mão dada. Nós por aqui vamos tentar fazer o mesmo. Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  5. Foi precisamente isso que desejei para o novo ano.
    http://mae-sabichona.blogspot.pt/2014/12/resolucoes-de-casal.html

    ResponderEliminar
  6. A última vez que li palavras tuas de mudança falavas de ti. E mais tarde vi umas fotos tuas com a Maria e com o Miguel em quebestavas linda e com ar feliz. Tal como disseste que querias passar a fazer: estar com eles nestes momentos que retratas, mais cuidada e mais feliz.

    Desejo que essa determinação para 2015 se realize a dobrar.

    Feliz ano para todos e... muito namoro!

    ResponderEliminar
  7. Um ele sensível e bom pai, uma ela com uma vida cheia de trabalho, preocupações, uma mulher sem limites.
    Agora, porque merecem, faça o possível para isto "uero voltar a passear de mão dada. beijá-lo mais. dizer que o amo mais vezes. quero ser mais paciente, mais dedicada. quero casar com ele numa tarde quente de verão."

    Feliz 2015.

    Maria
    cantinhodacasa.blogs.sapo.pt

    ResponderEliminar
  8. Vera, consegues sempre deixar-me sem palavras... porque as tuas palavras refletem sempre tão bem a minha vida... melhor do que eu alguma vez saberia dizer! :) Desejo o mesmo para 2015... vamos acreditar que vamos conseguir ser ainda melhores para aqueles que nos fazem tão felizes! <3

    ResponderEliminar
  9. Porque me revi na maior parte deste texto, porque me saltaram as lágrimas ao ler-te - mais uma vez - espero que consigas alcançar os teus desejos para 2015. Que a vida vos sorria, e obrigado por seres transparente e não embelezar a vida, sem te fazeres de coitadinha pelo que não corre tão bem, e sim aceitar de forma natural. A vida é mesmo assim, e mente quem diz que é sempre feliz e cor de rosa. Beijinhos e e um bom ano!

    ResponderEliminar
  10. Chorei ao ler... porque parece que foi escrito por mim, tal e qual... Muita saúde e felicidades aos 4, é tão bom saber que existem pessoas como vocês...
    Feliz 2015! :)

    ResponderEliminar
  11. A riqueza está nos seres maravilhosos que demonstram ser:) Pessoas do bem merecem ser felizes! Feliz ano novo:)

    ResponderEliminar
  12. Espero que um dia consigas seguir o sonho do Jornalismo. Todos os textos retractam tão bem a realidade e a vida do dia-a-dia....são lindos, sem palavras!

    ResponderEliminar
  13. Adorei! Adorei pela transparência, pela sinceridade, pela escrita, pela proximidade. Desejo tudo de bom à vossa família. E eu vou acompanhando o vosso dia a dia. beijinhos
    http://vidali.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  14. Quem escreve assim nunca devia parar de o fazer... Feliz 2015 !

    ResponderEliminar
  15. Todas nos revemos nestes textos!!
    Só nao conseguimos todas, retratá-lo tao bem...! Ou não o partilhamos desta forma...e que bem sabe retratar o que sentimos por palavras....querer fazer sentir o que sentimos...
    E aí está o dom de jornalista!

    Que seja um 2015 sem pressa! ;)

    ResponderEliminar
  16. Falo sempre de vocês e do blog ao meu marido. As fotografias mostram tanto tanto amor.
    Vou lhe dizer para ler este post.

    Um ano tão bom ou melhor que 2014. Beijinhos

    ResponderEliminar
  17. sem palavras... revejo-nos nas suas palavras
    obrigada
    Feliz 2015

    ResponderEliminar
  18. Adoro tudo o que escreves..

    ResponderEliminar
  19. Essas palavras podiam ser minhas...obrigada pela tua sempre tão clara forma de escrever as coisas...e bonita, também. Feliz 2015!

    ResponderEliminar
  20. Retrato de um belo amor! Gostei...muita sensibilidade e verdade neste relato!Bom ano 2015

    ResponderEliminar
  21. que bonitas e verdadeiras palavras... grata pela partilha!
    beijinhos e bom ano para os 4!

    ResponderEliminar
  22. Estas palavras lindas ainda aguçam mais a minha curiosidade nesta questão: http://daspalavras.blogs.sapo.pt/sobre-o-amor-menos-valido-18701

    Pergunto-me sempre se pode sequer comparar-se o amor de mulher com o de mãe. E se não pode o amor de mulher ser maior - porque os filhos vêm de nós, mas na forma desse amor...ingenuidade minha talvez, que não tenho filhos.
    Mas sendo uma das mães que (não) conheço e mais admiro, gostava muito de saber a opinião sobre este assunto. Da forma tão bonita e franca que escreve.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. maria para mim são amores incomparáveis: a eles perdoava-lhes tudo. a ele não. por eles suportava tudo. por ele não. a eles não peço nada em troca, a ele sim. amo-o e não é um amor menos válido. mas não é o amor maior. o amor de mãe [e de pai] é o maior. ele sabe, eu também sei. e se ele me amasse mais a mim do que a eles eu amaria-o menos. faz sentido?

      bjs

      Eliminar
    2. Exactamente. São amores diferentes e acrescento nenhum substitui o outro.

      Eliminar