segunda-feira, 12 de maio de 2014

a altura certa.

a maria não sabe as cores.
às vezes acerta e o verde é verde. para ela não há amarelo nem azul: há a "cor do sol" e a "cor do céu". nunca se lembra da palavra branco nem da palavra preto. eu não sei porque é que a maria não sabe as cores. pintamos com lápis de cor, fazemos bolos de plasticina colorida: eu digo-lhe o nome das cores e ela repete. no dia seguinte o amarelo é a "cor do sol".

a maria sabe contar até 10 mas salta sempre o 7.
um dois três quatro cinco seis oito nove dez. digo sempre: esqueceste-te do 7. ela sorri e diz "e sete".

nunca lhe ensinei uma letra.

numa manhã do mês de abril: eu, uma ama, uma avó. estávamos no parque. a maria subia uma corda, o miguel brincava com carrinhos. perguntaram-me a idade deles. ele tem ano e meio. a maria está quase a fazer 3 anos. já não tem idade para usar fralda: aquela avó que eu não conhecia disse-me que a maria já não tinha idade para estar de fralda. já me o tinham dito antes: a mim, a ela: está mais que na altura. diziam-me mesmo sem eu perguntar.

o ano passado: a maria tinha acabado de fazer 2 anos. alguém me disse: agora está na altura de deixar as fraldas. ela tinha pouco mais de 2 anos e foi fácil e rápido. e pronto: ela usava cuecas e todos lhe deram os parabéns. alguns meses depois fomos para a noruega e a maria, insegura, chorava e pedia-me para usar fralda. arrumei as cuecas num saco, nunca lhe pedi para as voltar a usar.
este ano: dois dias depois de fazer 3 anos a maria disse-me "amanhã quero vestir estas cuecas da porquinha peppa". perguntei-lhe se tinha a certeza, ela disse que sim. e pede sempre que tem vontade, acorda-me de madrugada porque não quer fazer na fralda, não precisa de aplausos nem de incentivos. ela tomou a primeira grande decisão dela. e está feliz.
o ano passado foi fácil e rápido: mas um dia ela teve um acidente no parque e chorou de vergonha à frente de todos os meninos. um dia ela sujou o tapete, o chão, a roupa. ela chorou sempre que falhou. um dia eu quase desisti ao vê-la chorar.
devia ter desistido.

há dois meses levei o miguel ao pediatra: ele escreveu "menos de 5 palavras". os avós diziam que ele tinha de falar, desenrolar a língua. não diz nada? e ele que não dizia nada.
eu nunca insisti: nunca me sentei à frente do miguel e repeti a mesma palavra vezes sem conta: de-va-ga-ri-nho. talvez a culpa fosse minha. eu falava com ele como uma pessoa fala com outra pessoa. hoje: a maria diz que o miguel já aprendeu a falar. ela aponta para as coisas e diz: copo. livro. macaco. ele repete tudo o que ela diz. ele acorda de madrugada e pede água. ele estica-me o braço e diz "dá a mão". ele fala: e eu que ainda não contei as palavras.

eu não entendo isto de estar na altura: na altura de deixar de mamar, na altura de começar a andar, de dormir na cama dela, de comer sozinha, de falar, de deixar as fraldas. e agora, com as cuecas da porquinha vestidas, está na altura de deixar a chucha. eu nao sei quem definiu isto, isto das alturas certas. na minha casa não há alturas certas: há pessoas.

Silvana Quattrocchi Montanaro. Understanding the Human Being. - See more at: http://www.howwemontessori.com/#sthash.e41smLzH.dpuf
f adults succeeded in understanding that behind the child's 'No' is the desire to be recognised as a person which is already able to resolve many problems related to him, they might be able to ask for his opinion much more often than is generally done.  - See more at: http://www.howwemontessori.com/#sthash.e41smLzH.dpuf
f adults succeeded in understanding that behind the child's 'No' is the desire to be recognised as a person which is already able to resolve many problems related to him, they might be able to ask for his opinion much more often than is generally done.  - See more at: http://www.howwemontessori.com/#sthash.e41smLzH.dpuf
f adults succeeded in understanding that behind the child's 'No' is the desire to be recognised as a person which is already able to resolve many problems related to him, they might be able to ask for his opinion much more often than is generally done.  - See more at: http://www.howwemontessori.com/#sthash.e41smLzH.dpuf
naquela manhã de abril a avó disse-me tudo o que o seu neto conseguia fazer antes dos 3 anos: andava sem fralda, falava muito bem, sabia as cores, os números e as letras. eu ouvi e não lhe disse nada sobre a maria: ela andava descalça, de gatas, a rugir como um leão solto no parque. devia-lhe ter dito.
devia-lhe ter dito que a maria parte sempre a bolacha que a vizinha lhe dá e guarda metade no bolso para dar ao miguel. que ela sabe lançar um papagaio. que me pergunta todos os dias se já estou melhor das costas. que ela chama o mano de "meu miguelito". sobe o escorrega ao contrário: o escorrega grande. ela parte um ovo sem deixar cair cascas para o bolo. ela explica os desenhos animados ao irmão e no fim pergunta-lhe se percebeu. e sabe que o amor é da "cor do benfica".

ela tem 3 anos.
ela tem o tempo todo.

34 comentários:

  1. Claro que não há alturas certas, todos eles são diferentes, todos têm os seus tempos, as suas personalidades e ao insistirmos só estamos a forçar, a meter medo, a tornar a vida dificil para eles, estranha, mais triste do que devia, por isso, por aqui tb não forço nada. Aos 23 meses já só usva fralda para domir, aos 24 nasceu o mano e voltou a pedir fraldas, nunca nos opusemos, agora com 32 meses usa fralda uns dias e nos outros diz que não quer..a nós não nos preocupa, porque não conhecemos ninguém que não as viesse a deixar de usar ;)

    ResponderEliminar
  2. identfico-me completamente com este texto! o meu filho vai fazer 18 meses e toda a gente vive a comparar o que ja faz e deixam de fazer. mas em que livro e que esta escrito que existe uma data especifica para cada coisa? Todos nos aprendemos em diferentes alturas e todos vivemos no mesmo mundo!
    beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Os seus filhos parecem tão bons meninos e tão felizes! A senhora é uma excelente mãe. Das melhores. Continue assim.

    ResponderEliminar
  4. Estás absolutamente certa, como mãe. Nunca duvides disso.

    ResponderEliminar
  5. há aqui dois meninos um de 6 outro de quase 3...
    o de 6 largou a fralda diurna aos 2 a noturna tentamos aos 4 mas como mudamos de país eram mais as vezes que se mudavam lençois que as que naos e mudavam e por isso sem do nem piedade nem pesos nas consciencias retrocedeu-se. o pediatra sugeriu tabelinhas e sorrisos nós, deixamos andar...e voltamos a experiemntar no mês em que fez 5 anos e voilá eureka! durante todo esse mês havia um xixi às 8 da noite e seco até de manha e até hoje!.........ao segundo filho a caminho dos 3 a fralda é tirada quando ele quer e a coisa vai se dar naturalmente.........o mais velho também teve avós de netos brilhantes na linguagem, o meu menino era atrasadinho :) demorou de facto a explodir a linguagem porque saltou a parte do tata e ábua e outras que tais e quando começou a falar dizia tudo tão corretamente que nos deixava de boca aberta.............também usamos muito sling e chegamos a ouvir vozes que diziam que os meninos iam ter as perninhas tortas coitadinhos...........costumava responder que na minha barriga estavam mais encolhidos e de cabeça para baixo! e a coisa ficava por ali..........saber esperar...dar espaço para crescer .....é tão importante como ensinar..........

    ResponderEliminar
  6. Adorei, continue a escrever ;)

    ResponderEliminar
  7. Como eu adoro a tua/vossa serenidade :) ❤❤

    ResponderEliminar
  8. Está na altura de SER FELIZ...sempre, sempre é altura de SER FELIZ e isso é o mais importante.
    Mania da nossa sociedade de que temos de ser todos formatados para sermos todos iguais...
    O que será que essa avó viu na Maria que não viu no neto dela...seria a FELICIDADE DE SER CRIANÇA?

    ResponderEliminar
  9. Concordo inteiramente consigo. Cada um tem o seu ritmo e os nossos filhos apenas são extraordinários na medida em que são nossos.
    Falo disso aqui http://encontrospontocom.blogspot.pt/2012/04/extraordinario.html

    ResponderEliminar
  10. Lindo! :) Adorei e concordo com tudo!

    ResponderEliminar
  11. Não podia concordar mais :)

    ResponderEliminar
  12. Gosto de estimular a minha filha e encorajá-la a fazer certas coisas, mas obrigar, insistir, tb não fazem parte da minha forma de educar. A altura certa, é quando eles estão preparados. Ainda há dias falava com uma mãe cuja filha é umas semanas mais nova que a minha. (ela)Estava muito preocupada porque a menina de quase 3 anos ainda usava fralda, e a minha que já não usa desde os 2, tinha acabado de largar à noite tb... mas e qual é o mal se os próprios pediatras dizem que até aos 3 anos é normal assim ser? tds eles têm o seu ritmo, uns têm mais aptidões para isto, outros para aquilo... A Maria está muito bem, o Miguel tb, e a mamã a fazer um excelente trabalho.

    ResponderEliminar
  13. Mais uma vez... adorei ♥ Os meus parabéns por este texto, por teres posto em palavras isto que, acredito, é o que muitas mães sentem... Os meus parabéns, mesmo. Não só pelo texto. Mas por seres assim para os teus filhos. Por seres esta mãe espectacular.

    ResponderEliminar
  14. Que lindo....Gosto de vir aqui! Parabéns.

    ResponderEliminar
  15. Obrigado Vera. Todos os dias oiço "o miguel ainda usa fralda? está na hora de deixar". O meu miguel tem dois anos e meio. E tenho vontade de rir com algumas palavras que diz mal. Poma mãe. E eu sempre a corrigir. Toma mãe. Toma mãe. Mas a próxima vez volta ao poma mãe. E a fazerem-me sentir que sou uma mãe que deixa andar, porque o meu menino não fala tão bem e ainda usa fralda.

    ResponderEliminar
  16. Sou mamã do D. de 18 meses... e ele tem tempo para tudo. não diz uma palavra. Mas ri muito. É feliz. Eu vejo isso nos seus olhos. E eu? Sou a mãe mais feliz do mundo.
    beijinhos!

    ResponderEliminar
  17. -sem duvida um texto ao qual me identifico.
    Vi que cada criança tem o seu tempo no dia em que o meu filho sem mais nem menos ficou a dormir na caminha dele por iniciativa propria( ele que dormia sempre em cima de mim ou então com a minha mão em cima dele) muita gente falou que não podia ser bla bla, e agora vejo que ele ao seu jeitinho vai fazendo as suas coisas a seu tempo sem pressão e sem ter de fazer só porque o menino tal com a idade dele já fazia.
    Beijinho e ao ver este teu post vou comecar te a seguir porque nem sequer sabia da existencia deste blog*

    ResponderEliminar
  18. <3 :) é imprescindível ler!

    ResponderEliminar
  19. Vim aqui parar porque vi num outro blog o link para este post. Obrigada ML :)
    Parabéns pelo texto. A mim pessoalmente disse-me muito. O meu filho fez agora 12m, prematuro, logo 10m de idade corrigida...por vezes quando perguntavam a idade e via certas expressões, adiantava-me e dizia (mas a nível de desenvolvimento temos que considerar menos 2 meses). Tenho uma colega que teve uma bebé com diferença de um dia, bebé de termo e que sempre bebeu leite artificial (só refiro isso porque a tendência é para engordarem mais) e a pequena está enorme em relação ao meu e sei que a tendência é fazer comparações...mas já me deixei disso (dos dois meses a menos)...ele está ótimo, a evoluir ao seu ritmo, sem problemas de saúde e feliz :)

    ResponderEliminar
  20. Emocionei-me!! A Maria é um amor!
    O momento certo é o momento de cada um!

    ResponderEliminar
  21. Adorei!
    Obrigado pela sua postura com os seus filhos e pela partilha connosco.
    Tudo de bom <3

    ResponderEliminar
  22. Cheguei hoje aqui, por mero acaso. Adorei o pouco que li. Amei este post... a Maria é maravilhosa, mas a mãe da Maria ainda mais, porque a deixa os seus filhos crescerem, viverem, aprenderem e sentirem ao seu próprio ritmo.
    Obrigado por partilhar estas vivências.

    ResponderEliminar
  23. Concordo plenamente. Obrigada pelo seu post. Continuem a ser felizes!

    ResponderEliminar
  24. A Maria é uma criança CRISTAL. Pesquise sobre isso.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  25. Acabei de conhecer o teu blog... e estou presa... Obrigada pelos testemunhos que aqui deixas... Obrigada por mostrares a verdadeira felicidade... um grande beijo para ti e para a tua familia maravilhosa <3

    ResponderEliminar
  26. Não sou especialista em fotografia, mas as fotografias são lindas. Não o são pela qualidade evidente, são porque fazem-me tremer de ternura.
    Vim ter a este blog porque a minha "tia" partilhou um dos textos no facebook. Eu estava a tentar estudar Bases de Dados, uma cadeira insuportável, mas esta minha "tia", que não é minha tia sequer mas sim uma grande amiga de infância do meu pai, sempre me foi muito especial e não resisti em abrir. Bem dita a hora. Bem dita a tia que não é tia que me acerta sempre no coração.

    Sou uma miúda, tenho 20 anos, às vezes acho que sei tudo mas dizem-me sempre que ainda não sei nada. E eu pouco me importo. Sei que quero ser feliz, que tenho um ou dois amigos para sempre, que a minha família me ama, e isto basta-me. E caramba, que sou mesmo feliz. Os meus pais já tiveram imenso dinheiro, mas sem eu saber como (e eles, coitados!) a vida deu muitas voltas e hoje fazem-se contas: e muitas. Nada me falta, ando na faculdade, tenho um computador, até um telemóvel novo, e de vez em quando lá recebo uns trocos para fazer uma viagem low cost para matar a minha interminável sede de conhecer o mundo.
    Já chorei vinte vezes neste blog. O que escreves é demais para quem deseja demasiado ter o que contas e que tem demasiado medo de não ter. Mais medo do que tenho do escuro. Sempre tive isto que contas, cresci assim. Vejo a minha mãe em quase tudo o que escreves e talvez tenha percebido o quanto ela foi, deveras, muito feliz a educar-nos como sempre conta a ver fotografias no sofá.
    Não quero estudar esta cadeira estúpida por isso vou ao cinema, porque fui esperta e jantei em casa para poupar algum e porque não me apetece estar aborrecida depois do que li e vi. Um dia vou ser feliz como tu és. A maior sorte do mundo.

    através de ritalopesoliveira@gmail.com

    ResponderEliminar
  27. Cá em casa também nunca houve alturas certas.
    Deixaram a chucha quando quiseram (apesar de eu ter sempre sido "repreendida" pois "fazia mal aos dentes"). Deixaram de beber leite no biberão quando quiseram, e o mais novo de 6 anos ainda não quis...
    Vai querer. Quando ele quizer!
    Paula
    http://vidademulheraos40.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  28. Já não sei como aqui vim parar...........mas estou a amar.
    Parabéns a vós
    O meu filho largou chucha e biberon quando lhe apeteceu
    apeteceu-lhe tarde
    chucha aos 5
    biberon quase aos 8
    tem 18
    é feliz :)

    ResponderEliminar
  29. e a felicidade deles é a nossa também! :)

    ResponderEliminar
  30. Uma delicia estas palavras. Muitos parabens

    ResponderEliminar
  31. Uma delicia estas palavras. Muitos parabens

    ResponderEliminar