terça-feira, 18 de março de 2014

os meus 32.

fiz 32 anos.
nunca fui uma daquelas pessoas que adora fazer anos. também não sou uma daquelas pessoas que detesta. este ano não fomos muito longe: decidi poupar o meu corpo de longos passeios pelo zoo, corridas à beira-mar, almoços confusos em restaurantes. passámos a manhã no parque: levei tintas e pincéis, andámos de escorrega, levámos brinquedos. comemos queijo e tangerinas. o sol aqueceu-nos a todos. almoçámos frango assado com batatas fritas de pacote e soprámos as velas ao fim da tarde: a maria foi comigo escolher o bolo. chocolate. foi um bom dia: é sempre um bom dia quando estamos todos. todos bem. o meu pai, a minha mãe, a minha irmã mais velha, a minha irmã mais nova. ter a minha família junta neste dia faz-me sempre sentir pequenina outra vez. e depois ele. os meus filhos: a maria a comer azeitonas ao colo da avó. o miguel a roubar beijos à prima.
fiquei cansada. às nove da noite estava deitada na minha cama. o miguel dormia ao meu lado. imitei o som de todos os animais que sei para o adormecer. ele adora o macaco.
a maria estava com o pai na cozinha. ela passou o dia a comer mas apetecia-lhe massa: muita muita. deitada na cama ouvi as risadas dela. o riso dela faz-me sorrir.
encostei a minha cabeça à almofada e pensei em outros dias como aquele: dias em que fiz mais um ano. dias em que era muito pequenina e a minha mãe nos fazia bolos cheios de pintarolas para levar para a escola. às vezes tinha vergonha: todos iam olhar para mim naquele dia. eu fui uma miúda calma: tive uma vida simples. ia buscar o pão ao senhor viriato. brincava na rua até anoitecer. jogava ao elástico e à macaca. não dizia a ninguém por que estava triste. gostava de escrever nos meus diários e andar descalça. não mudei muito. continuo a guardar as minhas tristezas para mim e a andar descalça mesmo quando está demasiado frio.
um dia tenho de me lembrar de agradecer aos meus pais por aqueles dias em que eu era pequenina e eles me deixavam ser assim. crescer assim. foram bons dias. estes também são.
fiz 32 anos.
não pedi nenhum desejo quando soprei as velas.
o que mais podia eu pedir? 


                                                                             


9 comentários:

  1. Que palavras lindas, que simplicidade e que ternura... adorei!

    ResponderEliminar
  2. Parabens. Que dia cheio.

    www.margaridaflordaminhavida.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  3. Parabéns - pelos 32 anos, pela família tão bonita e pela escrita desempoeirada.

    Gosto mesmo muito de passar por aqui ;) *

    ResponderEliminar
  4. Parabéns! Não se pode pedir mais nada, mesmo :)

    ResponderEliminar
  5. Parabéns! E que dia bem passado...
    Eu tenho um Viriato em casa, não é um nome muito comum por aqui... hehe

    ResponderEliminar
  6. Muitos parabéns!! Que mais se pode desejar... quando a felicidade já invadiu a nossa porta?
    Beijo grande

    ResponderEliminar
  7. Só a "conheço" ha mais ou menos uma hora (digo "conhecer" pq foi ha esse tempo q descobri o seu blog e por aqui permaneço com tanto gosto) e já gosto tanto de si, da sua forma de estar e da sua familia e quando penso como serei como mae...é assim q gostaria de ser! E revi-me tanto nesta forma de ver o dia de aniversario...ontem fiz 27 anos e foi um dia um tanto ou quanto nostalgico...em q deixei o tempo tomar conta do meu dia sem nada fazer para o alterar...um dia simples, nostalgico e ainda assim feliz! Parabens pelo blog estou a adorar! E parabens pela familia!

    ResponderEliminar
  8. Parabéns muito atrasados.

    Foi muito bom ver tantas fotos tuas de cabelo solto, a sorrir e muito gira! (ainda por causa do post em que falavas que pediram foto contigo e com os teus dois filhos)

    ResponderEliminar