sexta-feira, 8 de novembro de 2013

o meu pai.

durante os 6 meses que estivemos afastados o meu pai foi a minha ajuda. o meu melhor amigo.
todos os dias ele estava lá: levou-nos ao parque. ao hospital de madrugada. trouxe os sacos do supermercado. levou-nos à praia. a ver os aviões. sempre que precisei dele pedi ajuda. ele só dizia que sim. não fazia perguntas: vou já.
pedi ao meu pai para vir comigo.
para me ajudar na viagem. para me ajudar a conhecer estes novos dias.
ele só disse que sim. sem perguntas. sem bilhete de volta.
o avô: a maria inclui o meu pai em todos os planos que faz. onde quer que a fantasia dela nos leve: vai a mamã, o papá, o mano e o avô.
o miguel adora-o. durante aqueles 6 meses o miguel agarrou-se ao avô como um filho se agarra a um pai. às vezes isso era difícil de aceitar. outras era reconfortante.
esta manhã o meu pai foi-se embora.
estava na altura de ele regressar: esta não foi uma escolha dele: esta vida.
eu vi o meu pai regressar mesmo antes de ele partir: ele sentia falta dos amigos, da família, do país.
eu sei que se lhe tivesse pedido para ficar ele dizia que sim. não faria perguntas. continuava a brincar aos médicos. a andar de baloiço. a fazer biberões.
estava na altura de ele ir: hoje quando o abracei e lhe disse adeus não chorei. ele vai para onde é feliz: vai viver a história dele. as escolhas dele.


o meu coração está apertado.
a solidão torna-se mais real agora: o meu pai fazia-me sentir mais perto de todos os que lá deixei.
o meu coração está apertado. 
porque a maria pergunta por ele. ela vai perguntar por ele todos os dias. a toda a hora. e no dia em que ela não o fizer o meu coração vai apertar ainda mais.
o meu coração está apertado.
porque o miguel não vai perceber. ele só vai sentir falta. ele vai sentar-se à porta do quarto do meu pai como fazia todas as manhãs: à espera que ele acordasse. ele não vai perceber. e um dia ele nao se vai lembrar.
estar longe é difícil.
fazer pessoas que amamos estarem longe de quem amam é difícil.


agora somos nós. os 4.
a nossa história.


nunca te esqueças miguel. por favor não te esqueças.

9 comentários:

  1. Sem duvida nenhuma... O Sr. Levi por voçes faz tudo e tenho a certeza absoluta que ele cá vai sentir muitas saudades e vai ficar com o coração APERTADINHO como tu estas...
    A lei da vida por vezes é muita injusta.. Faz escolhas,caminhos,opções e etc...Mas tudo nesta vida tem um sentido... Um rumo... E QUE FAZ TUDO VALER A PENA...
    Beijinhos pra voçes os 4!!

    ResponderEliminar
  2. Depois de ler isto... passo apenas para deixar um beijinho especial.. Força.

    ResponderEliminar
  3. Acompanho a tua escrita desde o teu primeiro blog. Gosto tanto da maneira como escreves! Mas acima de tudo, gosto da maneira como consegues transpor para as palavras toda a emoção que tem acompanhado a tua vida. Desde o nascimento da Maria, ao nascimento do Miguel e todas as circunstâncias desta mudança de vida, as tuas palavras são sempre belas. Estes últimos textos têm sido arrebatadores, porque conseguimos sentir a tua tristeza, a tua ansiedade com esta mudança e a enorme saudade que aumenta todos os dias. Ao ler este texto do teu pai, foi-me impossível resistir a escrever um pequeno comentário para te deixar as maiores e melhores votos de felicidade e força. Só espero que sejas muito feliz, com o teu maridão e os teus pequeninos anjos :) São uma família muito bonita! E pensa que embora custe estares longe do teu país, da tua família, dos amigos, das coisas mais simples e bonitas que tens cá, em portugal, estás onde deves estar, onde a tua felicidade pode realmente existir: no seio do amor da tua família. No amor dos teus pequeninos, que são tão bonitos e parecem tão felizes!, no amor do teu companheiro, no amor da vossa família, que tem resistido a tudo.
    Sei que é fácil falar, sei que a minha idade, a minha experiência de vida pouco podem falar, mas fiquei muito emocionada com este texto, assim como tenho ficado com todos os anteriores, e quis mesmo deixar-te um grande beijinho e dizer-te que és uma super-mulher, uma super-mamã e que mereces toda a felicidade do mundo :)
    Marta

    ResponderEliminar
  4. Grande pai varinha. O meu pai também é tudo para mim. Não te preocupes que a distância afasta do olhar mas não do coração. Por muitos amigos que façam aí o abraço do avô, da tia, da prima, são insubstituíveis e incomparáveis. Força linda. Beijos, Rita Pinho

    ResponderEliminar
  5. Tão bonito esse amor...

    ResponderEliminar
  6. Faltou acrescentar que, eu sigo outros blogues. Blogues cheios de coisas menos reais. Menos profundas. Com fotografias tiradas por fotógrafos. Com roupa pré pensadas e caras. Situações planeadas e nada espontâneas. Sigo os para passar o tempo mas pouco aprendo com eles. Pouco me emociono. Neste blogue vejo uma mãe real. Dedicada e carinhosa. Que fotografa ela própria os filhos. Muitas vezes de pijama e roupas normais de miúdos. A serem miúdos. Identifico me. Emociono me. Aprendo. Obrigada verinha. És uma inspiração. Continua a inspirar. Continua a ser a mãe que és. E sê feliz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rita gostava de saber de ti. como te correm as coisas. beijinhos

      obrigada.

      Eliminar
  7. Ai mulher, não há dia que te leia sem chorar. Porque eu entendo tão bem. Estar longe é mesmo muito difícil.

    ResponderEliminar
  8. É por isto que este é, sem dúvida, um dos meus blogs favoritos. Emociono-me sempre com os teus textos, com as vossas fotografias... Envolvo-me na vossa história, se isto se pode dizer assim. Preocupo-me como que se de pessoas que eu realmente conheço se tratasse... Deve ser difícil. Muito mesmo! Nem consigo imaginar. Mas deixa-me que te diga... realmente tens um pai, eles têm um avô maravilhoso!

    ResponderEliminar