terça-feira, 17 de setembro de 2013

a casa.

estava de 7 meses. a maria estava quase a nascer quando decidimos sair da nossa casa no bairro alto. eu adorava a nossa casa no bairro alto. mas não era a casa para um bebé: faltava espaço, sossego.
no dia em que viemos viver para esta casa chorei o tempo todo.
não gosto desta casa: repetia. dizia-lhe muitas vezes: não gosto nada desta casa.
não gosto quando está sempre cheia de pó porque fica no rés do chão do mundo. não gosto porque ouvimos todos os vizinhos: os que entram. os que saem. os que abrem e fecham as caixas de correio.
foi para esta casa que eu não gosto que eu trouxe a maria quando ela nasceu: pequenina pequenina. foi nesta casa que eu vi a maria bebé tornar-se numa maria menina. foi nesta casa que ela começou a andar, a falar, a comer sozinha. nesta casa que eu não gosto eu aprendi a ser mãe. ele a ser pai. aprendemos os dois a força deste amor. discutimos muitas vezes. crescemos como casal: já somos grandes. depois a minha barriga a crescer.
foi para esta casa que eu não gosto que depois trouxe o miguel: pequenino pequenino.
nesta casa que não gosto brincámos à mesa. e aos médicos. tivemos noites de febre. cólicas. abraços. estórias antes de dormir. muitas cócegas. saudades. festas de anos. visitas de amigos. recebemos postais do pai. fizemos bolos a fingir. sestas de mão dada. uma família.
nesta casa que eu não gosto.

nunca a vou esquecer.
 



 

7 comentários:

  1. A nossa casa é onde o nosso coração está!

    Desejo-vos toda a sorte do mundo com a vossa nova casa.

    ResponderEliminar
  2. No fundo é isso que importa. Claro que gostar mesmo da casa em que vivemos seria o ideal, mas construir memórias é provavelmente meio caminho andado para que ela nos fique no coração... Esta coisa fantástica de nos envolvermos emocionalmente com os (nossos) lugares :)

    ResponderEliminar
  3. O amor que vos une é tão bonito de se ler. Também sou assim, uma sentimentalista. Senti o mesmo há cerca de 11 anos atrás por uma casa no Porto. Foi lá que estive grávida, foi lá que o meu filho viveu até aos 4 anos, foi lá onde tive todas as emoções e inseguranças de mãe de primeira viagem. Chorei, chorei às escondidas por aquele lugar. Hoje, 11 anos depois, não me arrependo da mudança. Apesar das dificuldades dos primeiros tempos tenho aprendido que o importante é o amor de uma família. Beijinhos para si (mesmo sem a conhecer). Tem uma família muito linda e vá, vá para junto do seu marido sem medos. Martinha

    ResponderEliminar
  4. Adorei o seu blog, tem fotos cheias de ternura!!!
    Tmb tenho um bebé com 20 meses
    Bjs para os 3

    ResponderEliminar
  5. Ficamos sempre presas aos lugares onde vivemos momentos de amor. :-)

    ResponderEliminar
  6. Verinha acordei a pensar em vocês. ..boa viagem minha linda..bom reencontro..boa sorte!!!as maiores felicidades. Venho tambem dar-te a noticia de que espero mais um menino :) bjs e manda me o teu nro. Enviei te o meu pelo Facebook. Bjs grandes , Rita Pinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. parabéns ritinha! felicidades e um abraço!

      Eliminar