segunda-feira, 15 de julho de 2013

os dias.

passo o dia sozinha com eles. às vezes temos visitas. a maior do tempo somos só os 3.
a maior parte do dia sou eu a tratar deles, a brincar com eles, a arrumar a casa, a brincar com eles. acordo com um de cada lado, faço tudo outra vez e no fim, quando já é noite adormeço os dois. brincamos com a lanterna, deitados na cama, no quarto escuro. eles riem-se. canto. adormecem. um de cada lado. a maior parte das vezes adormeço também. todos os dias: é assim quase todos os dias.
mas também há os outros dias. os dias em que eu acordo e é difícil. os dias em que as manhãs parecem longas e pesadas. os dias em que sinto falta dele aqui: a trocar fraldas. a fazer as papas. a ser o pai. e é nesses dias que eu sou mais mãe. que faço o que as mães fazem: olho para eles, estico os meus dedos e encho-os de cócegas. muitas e muitas cócegas: a felicidade na ponta dos dedos. cócegas. e só páro quando a única coisa que se ouve na minha cabeça são as gargalhadas deles. já não se ouve a saudade, nem tristeza, não há incertezas, nem cansaço. só as gargalhadas deles.

2 comentários:

  1. E vale o esforço! :)força aí!

    ResponderEliminar
  2. Se há coisa que eu amo é a gargalhada do meu filho! O meu dia corre melhor!

    ResponderEliminar