sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

a queda.

antes da maria nascer ouvi centenas de conselhos. opiniões de mães, de avós, amigas, tias, primas, vizinhas. até de pessoas que passavam na rua e tinham alguma coisa a dizer. eu não pedi metade delas mas ouvi-as. e agradeci-as. pois que nenhuma destas pessoas me soube alertar para as coisas menos boas que nos acontecem depois que somos mães. até o aumento de peso é desvalorizado. "deixa lá, depois perdes isso num instante." e eu nunca me preocupei com nada do que estava para vir que não fosse relacionado com a saúde, a comodidade e a segurança da maria. as mães, mesmo as que ainda não pariram, são assim. mas de todos os que me deram conselhos não houve ninguém que me tivesse dito "cuidado que te vai acontecer isto". "previne-te para não passares por isso". "olha que isto pode acontecer, mentaliza-te". e mesmo que me tivessem dito eu provavelmente não ia acreditar. até porque as mulheres ficam sempre lindas depois de serem mães. a maternidade fica-nos tão bem.
mas ainda assim, eu gostava que me tivessem dito que havia a possibilidade de o meu cabelo cair todo. e foi o que aconteceu. praticamente vá. sobraram alguns para contar a história. mas ver o nosso cabelo a cair não é fácil. e muito menos numa altura em que todas as nossas hormonas estão confusas. em que o nosso corpo está diferente. em que temos que dedicar toda a nossa atenção ao nosso bebé.
e depois as mulheres são más mães porque têm depressão pós-parto. vão-se abaixo porque são vaidosas. fúteis. têm um bebé com saúde e é o que interessa. e é, é mesmo. mas nós, mães, mulheres, também interessamos. e temos que ter auto-estima. temos que estar felizes para criarmos filhos felizes.

o meu cabelo começou a cair por volta do 3º mês pós-parto. perdi mais de metade. chorei muitas vezes por isso. cortei 3 palmos. e ele caía. apanhava os cabelos do chão e amontoava-os para ver quantos eram. eram sempre muitos. felizmente tive todo o apoio que podia pedir. ele olhava para mim e dizia "não sejas parva, não estás careca."  e dermatologistas. e depois chegou uma altura em que tive de decidir: deixar de amamentar e travar a queda ou deixar as coisas seguirem: usar um champô especial e esperar pelo melhor. decidi esperar pelo melhor.
hoje a maria tem 9 meses. ainda mama. e o cabelo foi caindo.
mas também foi crescendo.
e hoje eu venho avisar as futuras mães que há a hipótese de virem a sofrer de um assustadora queda de cabelo. e que não faz mal chorarem por isso. ou deixarem de amamentar por isso. e confiem no tempo: ele volta a crescer. o meu já está a crescer. e as pessoas ainda olham para mim na rua, mas agora não é porque eu estou quase careca: é porque tenho cabelinhos espetados que exibo com muito orgulho.

3 comentários:

  1. Ai que medo, o cabelo de uma mulher afecta-nos tanto... mas estarás linda na mesma, e ninguém olha para ti por causa disso!

    ResponderEliminar
  2. Aconteceu-me o mesmo e também não parei de amamentar. E adoro os meus novos cabelinhos espetados :)

    ResponderEliminar
  3. Olha verinha a mim aconteceu-me o mesmo mas eu já não amamentava pois infelizmente o meu leite secou ao 3º mês...o qe me ajudou foi começar a pilula normal e deixar a cezarete (pilula de amamentação). As hormonas é que fazem o cabelo cair assim...foi horrivel e tive de tomar 1001 coisas, e dai não ter chegado a esse ponto que chegou o teu! Mas é de louvar a tua escolha..os nossos bebés sempre 1º..beijinhos

    ResponderEliminar